Samadhi e a Unidade da Vida

terapia do amor
Nossos sentimentos negativos de separação bloqueiam a energia do amor. Uma pessoa que se desfaz dos sentimentos e pensamentos negativos, transforma-se em amor. É simples assim. Condicionamentos, bloqueios culturais e medos religiosos são ervas daninhas na alma da pessoa e bloqueiam o acesso do indivíduo a outras regiões psíquicas de si mesmo. O amor é um estado pleno de percepção da vida. Quando uma pessoa se desliga, mesmo que temporariamente, dos medos, dos conceitos e dos preconceitos, entra num estado de graça que os orientais chamam de Samadhi. A vida é percebida e sentida como um todo, a separação desaparece e o universo vibra como um único organismo. A consciência se desapega do eu pessoal e se integra com a Vida Universal. Então a pessoa vivencia o estado real de si mesma. Ela descobre que não é uma pessoa, mas o Todo, o Universo. Irmã Dulce descobriu isso. Indagada sobre sua vida pessoal e sobre os planos que fazia para si mesma, ela respondeu que "eu não existo, quem existe são as pessoas que precisam de mim". Então ela, se planejava algo, era para todos, para os outros, para o universo. Irmã Dulce vivia um estado de samadhi onde sua consciência pessoal era experimentada como identidade do todo e se via ou se identificava com tudo a sua volta. Isto é amor. Jesus prescrevia este tipo de amor: "Amarás o teu próximo como a ti mesmo", e divulgava abertamente seu estado de samadhi proclamando que "eu e Deus somos um". Nossos sentimentos e pensamentos negativos bloqueiam essa consciência da unidade e esse estado de samadhi.
Por Marco Aurélio Dias
Veja também no Facebook no Uol Mais, no Google+, no Luis Nassif ou em PDF
Compartilhe esta notícia

Anúncios Dentro das Postagens